Temer admite farsa do impeachment

18/abr/2017

Por Vilma Bokany

Foto Agência Brasil

Uma entrevista concedida por Michel Temer para a Band no dia 15 de abril deixa claro que o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha abriu o processo de impeachment contra a então presidenta Dilma Rousseff por vingança. Na entrevista, Temer conclui: "Que coisa curiosa. Se o PT tivesse votado nele naquele comitê de ética, seria muito provável que a senhora presidente continuasse”. A defesa da ex-presidenta apresentará uma petição ao Supremo Tribunal Federal para incluir a entrevista nos autos, com o intuito de contestar a legalidade do impeachment.

Cunha, um dos líderes do PMDB e grande articulador político, foi responsável por autorizar a abertura do processo, em dezembro de 2015, quando o Conselho de Ética da Câmara apurava se ele havia cometido quebra de decoro ao afirmar que não possuía dinheiro não declarado no exterior. No mesmo dia em que os três deputados do PT no Conselho de Ética declararam que votariam pela cassação de Cunha, o ex-presidente da Câmara anunciou a abertura do processo de impeachment, em um claro desvio de finalidade.

Na última segunda-feira (17/04), a votação na Câmara dos Deputados que aprovou a abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff completou um ano. Transmitida ao vivo por veículos de comunicação de todo o país,  teve o placar final de 367 votos a favor do afastamento da presidenta, 137 contra, sete abstenções e duas ausências.

As justificativas apresentadas pelos parlamentares mostravam deus e a família no centro do espetáculo, ao passo que não foram apresentadas justificativas referentes a razões jurídicas ou criminais. Ficou claro naquele momento que se tratava de um espetáculo, cujo único objetivo era afastar a presidenta eleita a qualquer preço.

 

 


GREVE GERAL

São Paulo para contra Temer e as reformas

Com adesão dos trabalhadores em transportes públicos à paralisação, terminais de ônibus e metrô permaneceram vazios nesta sexta

28/abr/2017
POLÍTICA

Governo golpista tem reprovação recorde às vésperas da greve geral

Câmara dos Deputados aprovou na quarta-feira (26/4), por 296 votos a 177, o texto-base da Reforma Trabalhista

27/abr/2017
PUBLICAÇÃO

Boletim de Análise da Conjuntura - abril

Análises sobre os efeitos da Operação Lava Jato no país, as reformas da Previdência e Trabalhista são destaques desta edição

27/abr/2017
ANÁLISE

Com medo, golpistas se desesperam em relação à Greve Geral

Assistir ao desespero dos golpistas antes da greve geral já indica a importância da paralisação nacional, que amplia adesão a cada dia

27/abr/2017
FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO
Rua Francisco Cruz, 234 - 04117-091 - Vila Mariana - São Paulo - SP
(11) 5571-4299 - imprensa@fpabramo.org.br