Ouça a rádio FPA ao vivo no seu browser!
Ouça agora

Instale nosso App!

Fique por dentro de tudo o que acontece com o melhor da MPB!

Capítulo 2 - Grupos sociais vítimas de intolerância

16/nov/2011

Capítulo 2 para download

A pesquisa Indígenas no Brasil, assim como outros estudos realizados pelo Núcleo de Opinião Pública1, indica que, espontaneamente, os portadores de vícios é o tipo de pessoa que a população brasileira menos gosta de encontrar (10%, quando apenas um tipo de pessoa é mencionado e 20%, quando citado mais de um), além das que possuem comportamento relacionado à fofoca ou falsidade (9% em resposta única e 16% quando mais de uma resposta). Os portadores de vícios são principalmente rejeitados nas regiões Centro-Oeste e Nordeste (29% e 26%, respectivamente em resposta múltipla), região que também apresenta maior antipatia por pessoas com características relacionadas à fofoca (28%), assim como entre os moradores das cidades de pequeno porte (22%).

 

Estas características, no entanto, não são aparentes, só sendo possíveis identificar a partir de um relacionamento mais próximo. Já uma aparência visual diferente, seja pelo uso de piercings, tatuagens, acessórios, maneira de vestir, corte de cabelos ou “estilos” específicos, causa estranhamento de 7% a 11% da população e 6% a 10% não gostam de encontrar pessoas com características sócio-econômicas diferentes das suas. A população residente na região Norte é a que indica maior rejeição às pessoas com aparência visual diferente, seja em resposta única (17%) ou em resposta múltipla (23%). Pessoas que cometeram algum delito são indesejáveis por 5% a 10% da população, sendo mais expressiva na região Nordeste (10% a 17%).

 

Apenas 2% da população dizem espontaneamente e como única resposta, não gostar de encontrar pessoas pertencentes a algum grupo étnico e mesmo ao citar mais de uma resposta, a antipatia aos grupos étnicos não ultrapassa 3%.

 

Cerca de um terço dos entrevistados afirma que não há nenhum tipo de pessoa que não gosta de encontrar (31%), incidência maior entre a população das regiões Sul e Sudeste (48% e 38%, na rodem) e entre os moradores de municípios onde existem territórios indígenas (38%).

 

Foi apresentada uma relação de grupos sociais para que os entrevistados dissessem o que sentem ao encontrar pessoas de cada tipo, se ódio ou repulsa; antipatia; indiferença; satisfação ou dó, pena. Dentre os grupos testados, o que apresenta maior índice de rejeição é o de pessoas que não acreditam em Deus, de quem 15% da população sente ódio ou repulsa e 24%, antipatia. Os usuários de drogas aparecem em seguida, com 13% de repulsa ou ódio e 25% de antipatia. Moradores das regiões Norte e Nordeste são os que mais rejeitam as pessoas que dizem não acreditar em Deus (51% e 48%, respectivamente). É também na Região Norte que se nota maior rejeição aos usuários de drogas (56%, contra 36% no total).

 

Dentre os grupos étnicos apresentados, o que sofre maior rejeição é o de ciganos (30%, sendo que 7% sente ódio ou repulsa e 23% antipatia); judeus e muçulmanos são rejeitados igualmente por 11% da população (3% sentem ódio e 8% antipatia por ambos os grupos), 5% rejeitam os estrangeiros em geral (1% sente ódio e 4%, antipatia).

 

O grupo indígena é rejeitado por 3% da população, mesmo índice de rejeição apresentado aos asiáticos. Em ambos os casos, a antipatia é maior (2%) que o ódio (1%). Dentre os grupos étnicos estimulados, a menor incidência de rejeição recai sobre os negros (1%) e 2% rejeitam os brancos, nos dois casos o sentimento que predomina é a antipatia.

 

Os entrevistados da região Centro-Oeste e das grandes cidades são os que mais declaram rejeição pelos ciganos, enquanto os da região Norte são os que mais rejeitam os indígenas (7%), muito embora seja nesta mesma região onde mais se declara o sentimento de satisfação ao encontrarem os indígenas (47%, contra 35% no total), assim como nos municípios de pequeno porte (40%).

 

Perante o conjunto de grupos de pessoas apresentados, os usuários de drogas sobressai como o grupo que a população menos gosta de encontrar, rejeitados por cerca de um terço da amostra (30%), seguidos por gente que não acredita em Deus (22%), estes dois grupos com grande diferença em relação aos seguintes: ciganos, que mereceu apenas 12% de menções e ex-presidiários (10%). ´

 

Os indígenas foram mencionados como o principal grupo que não se deseja encontrar por apenas 1% e uma parcela significativa (15%) disse que não rejeita nenhum grupo.

 

Os usuários de drogas são indesejáveis, principalmente para os residentes na região Centro-Oeste (36%). Já o índice de rejeição às pessoas que não acreditam em Deus não difere muito nas diferentes regiões brasileiras ou tipos de cidades. Ciganos são principalmente rejeitados na região Sul (20%), região em que também sobressai a taxa dos que não manifestam rejeição por nenhum grupo (26%). Na região Norte, a rejeição por ex-presidiários é a bastante acentuada (24%).

 

O ranking permanece o mesmo, quando mais de um grupo é considerado como indesejável, apenas com taxas mais elevadas: 42% para usuários de drogas, 31% para gente que não acredita em deus; 22% para ex-presidiários e 18% para ciganos. Mesmo em menção múltipla, os indígenas mantém apenas 1% de rejeição.

1 Racismo no Brasil, Idosos no Brasil, Diversidade Sexual e Homofobia no Brasil

 

galeria: 
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar
Principal grupo que menos gosta de encontrar

SEMINÁRIO

Belluzzo: Brasil está caindo para a Série D do Mundial de Desenvolvimento

O economista Luiz Gonzaga Belluzzo falou hoje sobre as consequências econômicas da Lava Jato em seminário do PT em São Paulo.

24/mar/2017
SEMINÁRIO

Operação Lava Jato acaba por perseguir quem construiu mecanismos de combate à corrupção

Juristas, economistas e intelectuais debatem o legado que vem sendo deixado pela força-tarefa do MPF-PR

24/mar/2017
ATAQUE AOS DIREITOS

Terceirização irrestrita será tema do entrevistaFPA

Programa do dia 27 de março irá debater as consequências da aprovação do PL 4302

24/mar/2017
EVENTO

Seminário celebra 100 anos da Revolução Russa e 95 anos do PCdoB

Evento será realizado na UNIP Paraíso, em São Paulo, e transmitido ao vivo pelo Portal Grabois (www.grabois.org.br) e pelo Vermelho (www.vermelho.org.br).

24/mar/2017
FUNDAÇÃO PERSEU ABRAMO
Rua Francisco Cruz, 234 - 04117-091 - Vila Mariana - São Paulo - SP
(11) 5571-4299 - imprensa@fpabramo.org.br